Esporte | Humildes Notícias - O site de notícias de Humildes - Bahia

HOME         POLÍTICA          ESPORTE         POLÍCIA         TRÂNSITO         RELIGIÃO         CULTURA E LAZER         EDUCAÇÃO         EMPREGO

Esporte

16/08
às 03:16

O ex-jogador de futebol Edilson Silva Ferreira, conhecido como Capetinha, foi preso na tarde desta terça-feira (16), em Salvador, em cumprimento de um mandado de prisão temporária, segundo informação da Polícia Civil. O mandado foi expedido pela 2ª Vara da Família de Brasília (DF) por conta do não pagamento da pensão alimentícia para um filho do ex-atleta. Edílson já foi preso pelo mesmo motivo em outras duas ocasiões

Segundo a polícia, o ex-jogador, que já defendeu a dupla Ba-Vi e foi campeão mundial com a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2002, está detido na sede Polinter, no Complexo dos Barris, onde ficará até conseguir uma vaga em um presídio de Salvador ou até quitar o valor do débito e ser solto. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Edílson.

Capetinha foi preso em 2016 em Brasília por conta de uma dívida de pensão alimentícia que chegava a R$ 430 mil. Em 2014, o ex-jogador também foi preso em cumprimento de dois mandados expedidos pela Justiça do Distrito Federal. Na época, a prisão foi feita enquanto Edilson passava pela Avenida Garibaldi, em Salvador, e levado também para a sede da Polinter.

O ex-jogador também foi alvo de uma operação da Polícia Federal que investiga fraudes em pagamentos de prêmios das loterias da Caixa Econômica Federal. Ele chegou a ser conduzido coercitivamente, mas não ficou preso. Mandados de busca e apreensão também foram cumpridos na casa dele.

Segundo a PF, Capetinha era suspeito de utilizar sua conta bancária para movimentar valores referentes a um esquema que, segundo estimativa dos investigadores, teria desviado aproximadamente R$ 60 milhões em pouco mais de um ano.

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

26/07
às 02:56

O Flamengo convocou uma entrevista coletiva às pressas nesta terça-feira pela manhã, no Rio, onde o meia Ederson confirmou que foi diagnosticado com um tumor no testículo. O sério problema de saúde foi descoberto após o jogador ser reprovado em um exame antidoping, que detectou índices maiores do que os normais da substância HCG, hormônio que em altas quantidades em homens podem indicar câncer de testículo.

O médico do Flamengo, Márcio Tannure, também esteve presente à entrevista coletiva ao lado de Ederson, além do presidente rubro-negro Eduardo Bandeira de Mello e do diretor de futebol do clube, Rodrigo Caetano. Tannure confirmou que o jogador precisará ser submetido a uma cirurgia para remoção do tumor.

"O atleta teve resultado analítico adverso positivo para doping. A gente suspeitou que pudesse, por todo o histórico do atleta, com toda a confiança que a gente tem nele, que isso pudesse ser patologia do atleta. Desse resultado analítico adverso, descobrimos que o atleta tem tumor no testículo", afirmou o médico, esclarecendo que neste momento não é possível estimar o tempo de tratamento.

"Não gostaria de dar nenhuma previsão. Tratamento é cirúrgico, para retirada dessa lesão. Vai acontecer até o fim da semana, terminando os exames. Após a cirurgia, vai ser detectado a gravidade e vamos poder dar parecer", explicou, para depois reforçar que existe a possibilidade de o atleta ser submetido a uma quimioterapia contra o câncer. "Vai depender da biópsia para ver se existe a possibilidade de quimioterapia. Independentemente disso, prognóstico final é bom de recuperação", completou.

Pouco antes de Tannure confirmar que o tratamento será cirúrgico, Ederson, emocionado, não escondeu o abatimento com o problema de saúde, mas exibiu otimismo ao projetar o tratamento e a cura do câncer. "Nesse momento é até difícil de ter palavras, me impactou muito. Mas agora sabendo de tudo, como o doutor explicou, estou triste por essa notícia. Porém, estou muito tranquilo, ciente dos dias que virão pela frente. Sei que vai ser só mais uma batalha na minha vida. Pensamento positivo, quero agradecer a todos, da comissão, do clube. Fiz questão de reunir e explicar para eles", afirmou o meia, que aposta que retornará aos gramados em um futuro próximo: "Vou vencer mais essa batalha e continuar fazendo o que mais gosto, que é jogar futebol".

Ederson ainda ressaltou que ficou feliz por ter descoberto a doença por meio dos exames antidoping e revelou que foi reprovado em mais de um teste por causa do problema que apenas agora pôde ser revelado.

"Obrigado a todos pela solidariedade. É muito difícil receber essa notícia porque ninguém espera isso. Deus não dá passo maior do que você pode suportar. Sou até grato por aquilo que aconteceu porque já tenho 16 anos de carreira profissional. Nunca tinha acontecido de cair no doping três vezes seguidas. Isso quer dizer que Deus é bom e deu tempo de resolver esse problema de melhor maneira", ressaltou.

Ederson testou positivo para doping nos exames que fez após os jogos contra Atlético-MG e Atlético-GO, respectivamente nos dias 13 e 20 de maio, pelo Brasileirão, e também foi submetido a um exame após a partida contra o San Lorenzo, pela Copa Libertadores, que ainda não teve resultado divulgado, mas que o próprio atleta adiantou que apontou resultado analítico, provocado pelo seu problema de saúde.

O presidente Bandeira de Mello, por sua vez, exibiu otimismo de que o tratamento será um sucesso. "Tenho certeza absoluta de que o resultado final vai ser positivo, que tudo vai dar certo. Que o Ederson muito em breve vai estar voltando a vestir a camisa do Flamengo. Queria deixar claro que o Flamengo vai dar apoio total a ele", ressaltou o dirigente.

Clubes manifestam apoio


Rival do Flamengo quarta-feira (26), na Vila Belmiro, no duelo de volta das quartas de final da Copa do Brasil, o Santos se manifestou para expressar apoio a Ederson. "A nação santista também está com vocês, @Flamengo! Você vai vencer essa luta, @ederson! #ForçaEderson", escreveu o clube em sua página na rede social Twitter. 

Fluminense, Botafogo, Grêmio, Palmeiras, Cruzeiro, Sport, Ponte Preta, Paysandu, Wolfsburg e Lazio, entre outros, fizeram o mesmo, utilizando o Twitter para mandar uma mensagem de força ao jogador.

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

25/07
às 02:12

Apesar da derrota por 3x0 para o Santos, neste domingo (23), no Pacaembu, o técnico Jorginho saiu com a sensação de que o Bahia pode brigar na parte de cima da tabela. Com 19 pontos, o tricolor está na 14ª colocação, a dois pontos do Avaí (primeira equipe dentro da zona de rebaixamento) e a cinco do Sport, adversário deste domingo (30) e que luta por uma vaga na Libertadores.

"Primeiro a gente tem que entender que o nosso campeonato é fugir o mais rápido possível dessa zona perigosa, mas acho que dá para pensar em um pouquinho mais. Se a gente conquistar os nossos pontos em casa e fizer as partidas que vínhamos fazendo fora de casa, mesmo tomando 3 a 0... O volume do jogo que tivemos, as transições ofensivas, as oportunidades, não condizem com o que foi o jogo", afirmou o treinador logo após a partida.

E por falar em Sport, os dois times se reencontram quase dois meses depois da decisão da Copa do Nordeste, vencida pelo tricolor. Em momentos opostos, os times prometem fazer um grande clássico. O Bahia leva vantagem no confronto e mantém um tabu de 28 anos sem derrotas para o Leão Pernambucano atuando em Salvador. 

Ontem, segunda (24), o elenco ganhou folga. O time se reapresenta na manhã desta terça no Fazendão, quando inicia a preparação. Jorginho terá o retorno do volante Matheus Sales e deve contar também com o atacante Rodrigão, que desfalcou o time nas últimas rodadas por conta de uma luxação no dedão do pé. A baixa fica por conta do lateral Eduardo, que recebeu o terceiro amarelo e vai cumprir suspensão.

"O Sport é uma boa equipe, sempre uma rivalidade forte e tenho certeza de que será um grande jogo. Provavelmente teremos o retorno do Rodrigão e do Matheus Sales, opções importantes", disse Jorginho.

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

25/07
às 02:10

 Petkovic não é mais diretor de futebol do Vitória. O sérvio, que chegou ao clube no dia 3 de maio, foi demitido nesta segunda-feira (24) pelo presidente em exercício Agenor Gordilho. Em pouco mais de dois meses, Pet foi gerente, treinador e diretor de futebol.

Como diretor, Petkovic foi responsável pela contratação de 11 jogadores e do técnico Alexandre Gallo, demitido na sexta-feira (21) passada. Os maus resultados em campo continuaram, e o sérvio iniciou uma reformulação no departamento de futebol, da qual acaba de se tornar mais uma vítima. Dias antes dele, deixaram o clube o lateral-direito Leandro Salino e o atacante Paulinho. Outros jogadores ainda podem sair.

O retorno do ídolo ao Leão foi curto, porém intenso. Anunciado no dia 3 de maio como gerente de futebol, Pet ficou apenas oito dias no cargo até ser remanejado para a função de treinador. De 11 de maio até ser promovido a diretor, em 1º de junho, foram apenas 20 dias.

O Vitória é vice-lanterna do Campeonato Brasileiro, com 12 pontos após 16 rodadas. O primeiro time fora da zona de rebaixamento é o Atlético-PR, que tem 17. O rubro-negro vem de quatro derrotas seguidas e tem o pior aproveitamento como mandante na Série A: foram seis derrotas, um triunfo e dois empates jogando em casa. O último revés foi para a Chapecoense, por 2x1, no último sábado (22), no Barradão.

O clube vive uma turbulenta crise interna. Em apenas sete meses de gestão da diretoria eleita em dezembro do ano passado, já deixaram o Vitória o presidente Ivã de Almeida – licenciado por 90 dias -, os diretores de futebol Sinval Vieira e Petkovic, o diretor jurídico Augusto Vasconcelos e o diretor médico Gilson Meireles, além dos treinadores Argel Fucks e Alexandre Gallo.

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

25/07
às 02:00

O Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro está pedindo à Justiça o afastamento dos dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Segundo os promotores, a entidade desrespeitou a Lei Pelé ao realizar assembleia deliberativa para reforma do estatuto, em 23 de março último, sem levar em conta a convocação obrigatória dos representantes dos clubes das séries A e B do Campeonato Brasileiro de Futebol. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (24), pelo MP.

Em ação civil pública, os promotores requerem o afastamento imediato do presidente, dos vice-presidentes e da diretoria da CBF. Pedem também a nomeação de um interventor judicial para gerir a CBF até a decisão final do processo, que poderá tornar definitiva a destituição dos dirigentes, e a subsequente realização de novas eleições.

O MP requereu ainda a nulidade da reforma estatutária aprovada sem a participação dos clubes. Para os promotores, os times claramente perderam poder político com as mudanças.

Na assembleia deliberativa, os clubes da segunda divisão ganharam poder de voto. Porém, segundo o MP, a Cláusula 40, Incisos I, II e III, do Estatuto da CBF passou a prever que, nas assembleias gerais de natureza eleitoral, cada voto das federações filiadas tem peso 3. Já os votos dos clubes da primeira divisão passaram a ter peso 2. Antes, todos tinham peso 1. Os votos dos times da Série B, que antes não participavam das eleições, agora tem peso 1.

No entendimento do Ministério Público, a CBF realizou uma manobra para aprovar o novo estatuto, prevendo critério diferenciado de valoração de votos que impede os clubes de constituírem maioria nas eleições. Com o peso de seus votos triplicado, as 27 federações poderão alcançar o valor total de 81 votos. Já os clubes, somando-se os 20 da Série A, com peso 2, e os 20 da Série B, com peso 1, alcançariam o máximo de 60 votos.

A CBF foi procurada, através de sua assessoria, mas até a publicação desta matéria ainda não havia se pronunciado.

Por Agência Brasil
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

13/07
às 02:40

Chegou ao fim a agonia tricolor. Depois de sete rodadas, o Bahia voltou a vencer no Brasileirão ao bater a Ponte Preta, por 3x0, na noite desta quarta-feira (12), no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. O herói tricolor atende pelo nome de Rodrigão. Contratado para ser o goleador do time, o atacante marcou dois gols e, de quebra, ajudou o Esquadrão a vencer a primeira fora de casa. Renê Jr. completou o placar.  

Pela primeira vez no time titular, o atacante Rodrigão precisou de apenas três minutos para mostrar o faro de gol. Depois da cobrança de falta de Régis, o camisa 39 subiu mais que a defesa da Ponte e testou no canto esquerdo do goleiro Aranha para abrir o placar. 

Apesar do gol precoce, o que se viu no primeiro tempo foi um jogo aberto. Renê Jr. recebeu de Régis e chutou forte, mas Aranha fez a defesa. O primeiro lance de perigo da Ponte só aconteceu aos dez minutos. Na cobrança de falta, Jean deu rebote, mas conseguiu se recuperar e fez a defesa em dois tempos. Três minutos depois, Claudinho recebeu livre dentro da grande área, dominou no peito e mandou para fora. Os jogadores do Bahia ficaram pedindo impedimento.

A resposta tricolor foi com Régis. O meia recebeu livre, invadiu a área, mas chutou nas mãos de Aranha. A partida ficou corrida com os dois times criando boas chances. Claudinho arriscou de fora da área e o juiz marcou toque de mão de Matheus Reis. Na cobrança, Lucca obrigou Jean a fazer grande defesa e mandar para escanteio.  

Aos 22, foi de novo Lucca apareceu sozinho na área e tocou de cabeça, mas a bola desviou e foi para escanteio. Rodrigão respondeu com chute forte que passou ao lado da trave de Aranha.

Aos 37, o Bahia quase chegou ao segundo gol. Depois da saída errada da defesa da Ponte, a bola sobrou para Rodrigão que tirou do goleiro Aranha e caiu no gramado pedindo pênalti, mas o árbitro mandou seguir. Na sequência, quem tomou o susto foi a torcida tricolor. Jadson recebeu passe de Emerson Sheik e livre dentro da área mandou na trave, após defesa de Jean.

Golpe final
No segundo tempo, Jorginho tirou Zé Rafael e colocou Juninho no jogo, mas quem começou ameaçando foi a Ponte Preta. Emerson Sheik achou Yuri livre, mas Jean chegou primeiro e conseguiu salvar. No primeiro ataque tricolor, Régis tentou lançar Rodrigão na área, mas a defesa chegou primeiro e conseguiu cortar. 

O Bahia continuou pressionando. Na falha da defesa da Ponte, Mendoza recebeu livre, mas se desequilibrou na hora do chute e mandou para fora. Na sequência, festa tricolor. Rodrigão aproveitou o chutão de Lucas Fonseca, invadiu a área e driblou Aranha para fazer o segundo dele e do Bahia no jogo. A comemoração só não foi maior porque o atacante se machucou no lance do gol e teve de ser substituído por Gustavo Ferrareis.

A Ponte Preta sentiu o golpe e o Bahia por pouco não chegou ao terceiro gol no chute de Ferrareis que Aranha fez a defesa.  Mais tranquilo, o tricolor explorava as jogadas em velocidade, enquanto a Ponte tinha dificuldades para chegar ao gol de Jean. 

Aos 31, Xuxa cobrou escanteio e Kadu mandou de cabeça, mas Jean fez boa defesa. Quando a partida se encaminhava para o fina,l o Bahia chegou ao terceiro gol. No contra-ataque de pé em pé, Juninho achou Renê Jr. livre que fez valer a 'lei do ex', marcou o gol e deu números finais ao duelo. 

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

13/07
às 02:38

 Não foi um balde, mas uma chuva de água gelada. E de gols. Esse foi o sentimento do torcedor do Vitória nesta quarta-feira (12). No Barradão, o Vitória decepcionou mais uma vez. Com direito a gol contra e um futebol de baixa qualidade técnica, o rubro-negro foi goleado pelo Vasco, por 4x1, e se afundou ainda mais na tabela. AGora, o time de Alexandre Gallo é o 18º.

O cenário era todo favorável ao Leão. Invencibilidade de 26 anos contra o alvinegro no Barradão, adversário remendado, com oito desfalques, dentre eles o artilheiro Luís Fabiano e o meia Nenê.

Nada disso adiantou. Futebol não tem lógica, nem amarras com o passado. Desde o apito inicial, o Vasco começou a pressionar. Um dos destaques era o meia Escudero, que conhece bem os caminhos do campo rubro-negro, já que jogou no clube de 2013 a 2015.

Aos 13 minutos, teve ‘lei do ex’. Com uma grande ajuda de um atual, é  verdade. Após cobrança de escanteio de Wagner, a bola atravessou toda a área e sobra limpa para Escudero. O meia chutou cruzado e, no  meio do caminho, Kanu tentou afastar e, de forma desastrosa, transformou o chute do argentino em assistência e mandou a bola no fundo do gol de Fernando Miguel.

Irritada, a torcida do Vitória não demorou a vaiar. Com razão, já que o Leão é o pior mandante da Série A e tem apenas um triunfo em sete jogos disputados em seus domínios.

O gol, entretanto, não abateu o rubro-negro. O time partiu para cima do cruzmaltino, dominou o resto do primeiro tempo e, por pouco não marcou. André Lima, que perdeu um gol incrível, Carlos Eduardo e Renê Santos chegaram muito perto. 

No segundo tempo, o Leão voltou a dominar, mas esbarrou no próprio futebol mal jogado e voltou a perder oportunidades. Aos 25, veio o alívio. 

Após escanteio, Kanu cabeceou no meio da área e fez outro, agora na trave certa.

Mal deu para comemorar. Quatro minutos depois, Guilherme tocou para Thalles, que deu um belo drible em Fernando Miguel, tocou para o gol vazio: 2x1. Kanu ainda fez mais um gol, mas estava impedido. 

Quando o placar já parecia sacramentado, vinha mais surpresa por aí. Aos 41, Thalles deixou o jogo e passou seu faro de gol para o garoto Paulo Vitor. Ele precisou de cinco minutos para aproveitar cobrança de falta e aparecer livre na cara de Fernando Miguel. O garoto tocou por cima, matou o goleiro da jogada, fez uma pintura.. Pensa que acabou? Não. Antes do apagar das luzes, Guilherme Costa deixou Kanu para trás, tocou por baixo das pernas de Fernando Miguel e fechou o caixão: 4x1.

Com o resultado, o Vitória dorme na 18ª posição, mas ainda pode ser ultrapassado por São Paulo, que joga quinta-feira (13), ambos em casa. Os adversários são Coritiba e o lanterna Atlético-GO, respectivamente.

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

01/07
às 03:37

A dois dias do primeiro Ba-Vi da Série A, domingo (2), no Barradão, um levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas chega para apimentar a rivalidade entre tricolores e rubro-negros. De acordo com o instituto, o Bahia é o time preferido de 25,3% da população no estado, enquanto o Vitória tem a preferência de 13,4%.

Além da grande distância entre os rivais da capital, o resultado aponta o Flamengo na cola do Vitória, com 12%. Chega a ser um empate técnico, já que a margem de erro da pesquisa é de 2,5%. O grau de confiança é de 95%.

Tomando como base a população da Bahia em 15,28 milhões, de acordo com a estimativa divulgada pelo IBGE em julho de 2016 (a mais recente), a torcida tricolor no estado é de 3,86 milhões, enquanto a do Vitória é de 2,04 milhões e a do Flamengo, 1,83 milhão. Corinthians, Palmeiras e São Paulo aparecem na sequência, nesta ordem.

O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 1.510 habitantes em 70 municípios baianos no período de 31 de maio a 4 de junho. A pergunta espontânea foi: “Para qual time de futebol o(a) senhor(a) mais torce ou simpatiza?”

Em dezembro do ano passado, o mesmo instituto fez uma pesquisa, só que de abrangência nacional, que apontou a torcida do Bahia como mais que o dobro da do Vitória no país.

Resultado da pesquisa:

Bahia 25,3% - 3,86 milhões

Vitória 13,4% - 2,04 milhões

Flamengo 12,0% - 1,83 milhão

Corinthians 5,8% - 886 mil

Palmeiras 3,0% - 458 mil

São Paulo 2,9% - 443 mil

Vasco 2,7% - 412 mil

Fluminense 1,2% - 183 mil

Botafogo 1,1% - 168 mil

Santos 0,8% - 122 mil

Outros times citados 4,2% - 641 mil

Não torce por nenhum 27,5% - 4,2 milhões

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

15/06
às 02:46

Foi sofrido, suado e na raça, mas o Vitória conseguiu recuperar um jogo quase perdido, nesta quarta-feira (14), no Barradão. Num jogo em que estava perdendo por dois gols de diferença no intervalo, o Leão foi cima no 2º tempo e chegou ao empate em 2x2. 

O time, pelo menos no primeiro tempo, decepcionou. Com dois minutos, David recebeu a bola de Kieza, se livrou de dois e mandou uma bomba de fora da área, carimbando o pé da trave de Gatito, mas a superioridade durou pouco.

Com 15 minutos, os cariocas se impuseram. Chegaram com perigo com Pimpão, após lindo cruzamento de Arnaldo, e não demoraram a transformar o bom futebol em gol. 

Aos 29 minutos, Pimpão mandou um cruzamento certeiro para Bruno Silva. Thallyson falhou feio e, ao furar, viu o volante botafoguense abrir o placar e fazer 1x0. 

Confiante com o gol, o Botafogo foi pra cima e quase chegou ao segundo após Fred recuar mal para Fernando Miguel. Pimpão roubou a bola e bateu, mas Kanu salvou em cima da linha. 

A falha que resultou no gol do Botafogo aparentemente mexeu com Thallyson. Aos 41, falta para o Botafogo. João Paulo cobrou e Fernando Miguel tirou de soco. O lateral, que deveria marcar Bruno Silva, falhou de novo, deixou o volante passar com facilidade, cabecear e ampliar o placar para 2x0.

O Vitória ainda arriscou nos momentos finais do primeiro tempo com cruzamento de Thallyson para Neilton, mas o atacante cabeceou por cima do travessão. 

Respira fundo, Leão!

O intervalo foi importante para o Vitória, que voltou a campo  mais equilibrado. Aos 4 minutos, David arrancou para cima de Arnaldo e cruzou rasteiro para Gabriel Xavier. Victor Luis errou o bote e o meia, sozinho, chutou rasteiro na saída de Gatito e diminuiu: 2x1.

O Botafogo pressionou, apertou Fernando Miguel duas vezes após o gol, com jogada de Roger e tabelinha de João Paulo e Rodrigo Lindoso, mas não conseguiu ampliar. 

O Vitória precisava fazer valer sua força dentro do Barradão. Foi lá e fez. Aos 30 minutos, o Leão transformou a cara emburrada dos torcedores em um largo sorriso. 

Gabriel Xavier lançou André Lima na área e, o atacante, que não jogava há mais de um mês, deixou Kieza na cara do gol para empatar o jogo e soltar o grito da garganta da galera rubro-negra. 

No fim do jogo, Gabriel Xavier reclamou com o árbitro e foi expulso. Com isso, ele está fora do próximo jogo, domingo (18), contra o Sport, na Ilha do Retiro.

Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 

05/06
às 08:14
 
O Campeonato Brasileiro está apenas na 4ª rodada, mas já começa a tirar o sono do torcedor do Vitória. No sábado (3), o rubro-negro perdeu de 2x1 para o Fluminense e chegou à terceira derrota consecutiva na competição – antes, perdeu para Corinthians e Coritiba, ambos por 1x0. O único ponto conquistado pelo rubro-negro foi na estreia, quando empatou em 0x0 com o Avaí, fora de casa. Até agora, o Leão sofreu quatro gols e marcou um.
 
Na época, o Leão não fez uma boa campanha. Conquistou 22 pontos em 24 partidas, com sete triunfos, oito empates e nove derrotas. Terminou o ano como 19º, à frente apenas de Criciúma, União São João, Cruzeiro, Remo e Náutico. Até 1994, os triunfos contabilizavam apenas dois pontos, diferente do regulamento atual, que garante os famosos três pontos à equipe vencedora.
 
Há 23 anos, a troca de treinador era um pedido de parte da torcida rubro-negra. Criticado na época pela campanha ruim na Série A, o uruguaio Sergio  Ramirez não resistiu à pressão e foi demitido após as três primeiras rodadas. No quarto jogo do torneio nacional, o time foi treinado por Fito Neves, que comandou o Vitória na sua melhor campanha em Brasileiros, em 1993, quando o Leão ficou na segunda posição.
 
O Leão tem mais uma chance de espantar a má fase e não repetir o filme de 1994. Na quinta-feira (8), o time do novo técnico Alexandre Gallo encara o São Paulo, às 19h30, no Morumbi. Coincidência ou não, naquele ano, o quinto jogo do Leão foi justamente contra o tricolor paulista, também fora de casa. O jogo terminou empatado em 2x2.
 
 
 
Por Correio
(0) Ver Comentários Mandar Comentário Indique a um Amigo

 


 

PAES, BISCOITOS, SALGADOS, CONFEITARIAS E MUITO MAIS, ENTREGA PARA EVENTOS E ANIVERSÁRIO. Av. Getúlio Vargas, 927 fone (75)2101-9920 Feira de Santana BA.